Quem está por trás da venda do NOVO BANCO? Por que quer culpar os empresários portugueses?

Ao que parece, gente como Antonio Costa, Fernando Anastasio, Rafael Mora, Luís Márquez Mendes, Fernando Negrão … e o Bloco de Esquerda querem esconder muito. O povo português tem o direito de saber a verdade.

O Novo Banco é um banco português criado em 4 de agosto de 2014 pelo Banco de Portugal para resgatar os ativos e passivos do Banco Espírito Santo (BES). O Banco Espírito Santo era a segunda maior instituição financeira privada em Portugal em termos de ativos líquidos, bem como um dos mais antigos e prestigiados bancos portugueses. O resgate do BES ficou a dever-se a perdas de 3.577 milhões de euros. Por outro lado, os ativos tóxicos do BES foram transferidos para um «banco ruim».

La envenenada herencia del clan Espirito Santo: 3.400 millones de agujero  en su banco y clientes

O resgate do Banco Espírito Santo veio após várias semanas de notícias negativas sobre a sua situação financeira, nomeadamente a exposição a um elevado número de empresas geridas pela família fundadora do Banco Espírito Santo, com Ricardo Salgado à frente. O BES foi subdividido em «banco bom», rebatizado de Novo Banco, e «banco ruim», que abrigaria as «exposições» (riscos de perdas de inadimplência) do BES atribuídas ao império empresarial do Espírito Santo. quanto à sua subsidiária angolana BESA. O Novo Banco foi recapitalizado em 4,9 mil milhões de euros por um Fundo especial de resolução de bancos. O Estado Português emprestou 4,4 mil milhões de euros ao fundo. O conselho de administração do banco para o mandato 2014-2017 foi presidido por Vítor Bento.

Vítor Bento

Um mês e meio após a posse, Vítor Bento deixou a administração do Novo Banco e foi substituído em setembro de 2014 por Eduardo Stock da Cunha.

Eduardo Stock da Cunha

O Fundo de Resolução seria o único acionista do banco até que um IPO ocorresse. Este fundo foi criado em 2012 com contribuições de bancos portugueses e do setor financeiro, e as suas operações são auditadas pelo regulador português, o Banco de Portugal.

O Novo Banco incorporou todo o pessoal, balcões, depósitos, clientes de crédito e obrigacionistas seniores que anteriormente se encontravam no Banco Espírito Santo.

Em agosto de 2014, o Novo Banco lançou a sua primeira campanha publicitária, para dar início ao processo de mudança da imagem do banco.

Nesta campanha de mudança de imagem corporativa, o banco lançou no dia 22 de setembro a sua nova logomarca, à qual incorporou as asas de uma borboleta em forma de poder … o objetivo foi sublinhar o compromisso do banco em recuperar a liderança que tinha até há pouco… A mudança de marca foi feita de forma progressiva, começando pelas fachadas das agências do banco.

EDP
Antonio Costa, Primeiro Ministro de Portugal.

Em 30 de junho de 2015, o fundo de resolução havia recebido três ofertas de compra do Novo Banco, uma do grupo bancário espanhol Banco Santander, uma compra conjunta chinesa do grupo segurador Fosun International e da seguradora Anbang, e outra da americana Apollo Global Management Um dos licitantes melhorou sua oferta em 7 de agosto de 2015. O processo final de seleção e venda após a licitação estava previsto para ocorrer nos últimos quatro meses de 2015.

Em 20 de agosto, o Banco de Portugal emitiu comunicado em que declarava que a fase final do processo de venda estaria concluída em 31 de agosto.

No entanto, em setembro a venda foi cancelada devido ao fato de as ofertas não terem sido consideradas satisfatórias …

Em março de 2016, foi anunciado que o banco resgatado Novo Banco previa a realização de 1.000 despedimentos para reduzir os custos operacionais em 150 milhões de euros, no âmbito do seu plano de reestruturação acordado com a União Europeia.

Os cortes propostos no quadro de funcionários afetaram 14% do quadro de funcionários do banco.

Em outubro de 2016, o Fundo de Resolução (órgão governamental, acionista majoritário, com contribuições de bancos privados …) havia recebido quatro ofertas para adquirir o Novo Banco: uma da Minsheng Financial Holding da China, outra da Apollo, Centerbridge e Lone Star Funds.

Em janeiro de 2017, a Aethel Partners fez uma oferta de compra do Novo Banco.

Em março de 2017, o Banco Central de Portugal anunciou que a Lone Star Funds tinha comprado 75% do Novo Banco, em troca de uma injeção de capital de mil milhões de euros. Os restantes 25% seriam retidos pelo Fundo de Resolução do Banco de Portugal.

Em outubro de 2017, o acordo foi assinado e a Lone Star Funds controlava 75% do Novo Banco. Lone Star é uma empresa americana de capital de risco especializada em investimentos imobiliários, patrimoniais, crédito e outros ativos financeiros. Fundado em 1995 e com sede em Dallas (Estados Unidos), o grupo possui 17 fundos de investimento, com capital de 70 bilhões de dólares.

O Presidente do Governo de Portugal, Antonio Costa, foi o encarregado de anunciar a venda. Costa lembrou que foram cumpridas as três condições impostas pelo seu governo: não liquidar o banco, não ter impacto nas contas públicas ou nos contribuintes, e não conceder qualquer garantia do Estado à Lone Star sobre os futuros empréstimos não pagos.

«Com esta venda», acrescentou o primeiro-ministro socialista, «a estabilidade financeira como um todo está salvaguardada e nenhuma outra contribuição extraordinária para o Fundo de Resolução será exigida dos bancos.»

O Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, decidiu não debater, ou colocar a votação, na Assembleia da República a aprovação da venda por medo de uma anunciada derrota, já que nem sequer teve o apoio dos seus sócios ( os comunistas do Bloco de Esquerda), nem os da oposição de centro-direita …

A venda e liquidação do que foi o segundo banco de Portugal e o primeiro privado, é o mais recente desastre do império do Espírito Santo, que governou o país durante décadas com os seus tentáculos no mundo dos negócios (principalmente através da Portugal Telecom) e no Sócrates. Governo, que acabou por falir em julho de 2014. Foi então que o Governo Passos Coelho e o Banco de Portugal decidiram, em vez de abandonar o banco – que era fundamental para o tecido empresarial – deixar os ativos tóxicos do BES e criar o Novo Banco com bons ativos e injeção de 4,9 bilhões de euros. Desde 2014, o Novo Banco acumulou enormes perdas…. Tudo isso acabou na sequência do fechamento de escritórios e da demissão de funcionários.

Porque é que a coligação social-comunista que governa Portugal tentou desviar a atenção de empresários, como Nuno Vasconcellos, quando são eles os verdadeiros culpados da liquidação do Novo Banco?

O Novo Banco, nestes momentos, é a «história sem fim» (como o romance de Michel Ende). Depois de múltiplos escândalos e pedidos de recursos públicos, ninguém confia no que o saldo do Novo Banco pode esconder, pelo que qualquer potencial comprador teria de fazer uma due diligence (revisão aprofundada dos livros) e certamente oferecerá um preço muito baixo sendo uma venda desesperada …

O penúltimo episódio foi a compra do Novo Banco pela Abanca, em 5 de abril de 2021, um banco espanhol com sede em Betanzos, La Coruña (Galiza), cuja origem está na Caixa Econômica NovaCaixaGalicia, como resultado do processo de privatização na Espanha dos antigas ”Cajas de Ahorro” (Caixas de Poupança).

Juan Carlos Escotet, propietario de Abanca, y Francisco Botas, consejero delegado de la entidad, en una imagen de archivo.
Juan Carlos Escotet, proprietário da Abanca, e Francisco Botas, CEO da ABANCA.

E, continua a história, estamos a envelhecer e os verdadeiros responsáveis ​​pela catástrofe do Banco Novo (ex-Espírito Santo) ainda não recebem o castigo merecido …

CONTINUA.

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
A %d blogueros les gusta esto: