Entrevista com José Rafael Cotts, Embaixador em Portugal do Presidente Interino da Venezuela, Juan Guaidó: «A Venezuela é um Estado falido, governado por bandidos, apoiado por uma multidão barulhenta, que os cubanos fizeram uma lavagem cerebral»

Permita-me uma digressão, um pouco de ferro fora do assunto, afrouxar um pouco a narração … Permita-me esta «brincadeira». Disse sem intenção de ofender.

Dizem que dois venezuelanos conversando, dizem um ao outro:

– Você não sabe por que nós, venezuelanos, nos parecemos cada vez mais com Adão e Eva?

– Ah…! não havia pensado.

– Bem … assim como Adán e Eva, os venezuelanos quase não têm o que vestir, andamos seminus, quase não temos que nos colocar na boca … e também estamos convencidos de que vivemos no paraíso.

Como já me antecipava aos leitores do VOZ IBÉRICA, noutro texto, há uma semana viajei a Lisboa com o meu amigo e “orientador de investigação”, Chris Coleman, para me encontrar com o nosso Director de Conteúdo, João Lemos. Foi um dia cativante e produtivo que, além de nos dar a oportunidade de nos conhecermos melhor, nos ofereceu a oportunidade de continuar a moldar, especificar, aperfeiçoar esta Plataforma de Comunicação, sem censura, para a Comunidade Ibero-americana e Sefardita, que deixou de ser uma projeto, para se tornar uma realidade de sucesso.

Nosso Diretor de Conteúdo, “Juan”, tinha uma agenda intensa e extensa reservada para nós. Entre muitas outras agradáveis ​​surpresas, estava planejado um encontro com José Rafael Cotts, Embaixador em Portugal de Juan Guaidó, Presidente Interino da Venezuela.

Devo dizer que o José Rafael passou de manter uma certa distância, e de um pouco reticente, para entrar na confiança, para ser confiante, depois de verificar que estava entre amigos …

A conversa com José Rafael logo ficou tranquila. Se o embaixador de Juan Guaidó enfatizou algo para nós – com grande razão – é que a Venezuela é uma nação desconhecida na Europa. Sim, a realidade da Venezuela chavista é ignorada e quem vive no “mundo ocidental” mal sabe disso.

José Rafael contou-nos, exaustivamente, sem pressa, como se costuma dizer na Espanha “com cabelos e sinais”, a triste e terrível realidade de sua amada Venezuela. Para reproduzir aqui tudo o que nos fez participar, daria para vários artigos, várias entregas. Então, vamos destacar os destaques.

Devo destacar que, mais do que uma entrevista, o encontro foi uma dissertação, quase uma conferência, sobre a Venezuela.

José Rafael comparou a Venezuela com o Haiti e nos disse que se os dois países não estão em situações muito semelhantes, resta pouco para que a Venezuela acabe no mesmo nível de carência de produtos básicos, necessidades básicas; pouco resta para que a Venezuela acabe atingindo os níveis de pobreza do país da América que ocupa o primeiro lugar nas listas de tudo que ninguém deseja.

José Rafael disse-nos que, na Venezuela, já não existe classe média, que toda a população (incluindo os burocratas do regime presidido por Nicolás Maduro) vive em situação de extrema pobreza, que a maioria da população carece dos mínimos recursos económicos para poder viver com dignidade.

Perguntamos se é mesmo verdade que a prostituição aumentou exponencialmente, como às vezes fala a mídia europeia (quando lhes dá alguma atenção aos assuntos venezuelanos), e José Rafael nos disse que, A situação já é tão terrível que nós que vivemos do outro lado do Atlântico nem podemos imaginar.

Segundo José Rafael Cotts, na Venezuela há muito desapareceu a meritocracia, a busca pela excelência, selecionando as pessoas levando em conta sua capacidade e mérito; Segundo José Rafael, a Venezuela é um estado falido, inexistente, uma nação sequestrada por criminosos, situação que se tornou tal que possivelmente não existe tal exemplo em nenhum lugar da América e do mundo.

Cada vez que o «abaixo-assinado» lhe fazia uma pergunta, para aprofundar algumas das informações que nos forneceu, José Rafael reiterou, vez após vez, que as terríveis circunstâncias sofridas pela Venezuela se devem principalmente à presença de cubanos , dos castristas. É por eles que os venezuelanos têm sofrido uma progressiva – e habilidosa, é preciso dizer – doutrinação e lavagem cerebral, até que grande parte da população acabou por acreditar que vive no «paraíso socialista», o socialismo. do século XXI.

Sim, o embaixador de Juan Guaidó em Portugal descreveu uma Venezuela inimaginável, tendo em conta que até há poucos anos era um dos países da América com maiores níveis de bem-estar, com maior produto interno bruto, com … até militar O golpista acabou assumindo as rédeas, eventualmente estabelecendo uma ditadura, suprimindo -de facto- a democracia parlamentar, suprimindo o Estado de Direito, a separação de poderes, suprimindo a liberdade de imprensa … e muito mais.

E, assim que chegarmos aqui, inevitavelmente, faremos perguntas como: Qual a alternativa à situação atual na Venezuela? O que fazer, ou melhor, o que os venezuelanos esperam da comunidade internacional, da União Européia, dos EUA …?

José Rafael disse-nos que nem ele nem os apoiantes de Guaidó perderam as esperanças de que a comunidade internacional acabe por obrigar Nicolás Maduro a deixar o poder e a dar lugar à convocação de eleições livres, e sanidade, a legalidade anterior a Chávez e a Venezuela será mais uma vez uma nação decente …

Presidente encargado de Venezuela Juan Guidó asegura que el PAN es ...

A esta altura, acho que é necessário recuar um ano e meio atrás, quando Juan Guaidó, Presidente Interino da Venezuela, nomeou representantes nos 15 países europeus que o reconheceram como Presidente Interino da Venezuela. A reação do narcoditador venezuelano Nicolás Maduro foi chamá-lo de «palhaço» e desafiou-o a convocar eleições.

Na ocasião, Juan Guaidó nomeou José Rafael Cotts como seu representante em Portugal. Guaidó também decidiu nomear diplomatas para representar a Venezuela em todos os que desde então o vêm reconhecendo como o legítimo presidente interino da Venezuela. O que começou como uma lista de 15 nações, acabou sendo uma lista enorme na maioria dos continentes, exceto pelos países que estão na «órbita de Moscou e Irã dos Aiatolás» … Guaidó já tem diplomatas credenciados em os principais países do mundo, na América do Norte, na América do Sul, Europa, etc.

Tudo isso começou quando em 23 de janeiro de 2018, quando Juan Gerardo Antonio Guaidó Márquez, político e engenheiro venezuelano, atual presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, foi nomeado pelo Parlamento da Venezuela como presidente interino – «responsável» pela República e aceitou o desafio e assumiu os poderes executivos que até então ocupava Nicolás Maduro, sucessor do ditador Hugo Chávez Frías.

Guaidó prometeu, se conseguisse apoio suficiente da comunidade internacional, formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, de 56 anos, no poder desde 2013, rejeitou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe liderada pelos Estados Unidos.

Depois de um ano e meio, a situação na Venezuela, que até agora poderia ser definida como um “impasse”, foi impulsionada por uma nova iniciativa de Juan Guaidó:

O presidente interino da Venezuela deu um prazo urgente, uma semana e meia, para chegar a um pacto unitário entre os líderes da oposição, para se levantar e enfrentar a «farsa eleitoral chavista» do próximo dia 6 de dezembro.

“Não peço obediência cega nem unanimidade, mas sim vontade e humildade para nos ouvir, ceder tão logo seja estratégico ceder, arriscar o que é inevitável arriscar e assim construir um caminho comum para libertar e salvar a Venezuela”. Esse foi o desafio que Guaidó lançou em sua mensagem ao país.

Segundo Guaidó, um dos principais objetivos é montar um «mecanismo nacional e internacional de participação massiva dos cidadãos», além de retomar uma «agenda nacional e internacional de ação e mobilização para concretizar a necessária ação das Forças Armadas, da comunidade. internacional e cada um dos aliados ”.

O período constitucional da Assembleia Nacional (AN) termina em 5 de janeiro, então o regime bolivariano desenhou um aparente impasse para se apoderar fraudulentamente do único poder que não tem em suas mãos hoje.

Entre as propostas discutidas está a realização de um referendo fora do Governo. Segundo a consultoria Delphos, Guaidó conta atualmente com 40% de apoio nacional.

O presidente do Parlamento Democrático convocou os principais líderes da oposição, inclusive aqueles que se distanciaram dele.

O plano que sua equipe está preparando será discutido com cada um dos líderes da oposição ao regime chavista, a começar por Julio Borges, coordenador do Primero Justicia (PJ); Henry Ramos Allup, Secretário-Geral da Acción Democrática (AD); Manuel Rosales, fundador do Un Nuevo Tiempo (UNT) e Leopoldo López, líder do Voluntad Popular (VP), partido do qual Guaidó faz parte. López, refugiado da Embaixada da Espanha em Caracas, desempenha um papel central no gabinete da Presidência Interina.

O período constitucional da Assembleia Nacional (AN) termina em 5 de janeiro, então o regime bolivariano desenhou um aparente impasse para se apoderar fraudulentamente do único poder que não tem em suas mãos hoje.

Entre as propostas discutidas está a realização de um referendo fora do Governo. Segundo a consultoria Delphos, Guaidó conta atualmente com 40% de apoio nacional.

O presidente do Parlamento Democrático convocou os principais líderes da oposição, inclusive aqueles que se distanciaram dele.

O plano que sua equipe está preparando será discutido com cada um dos líderes da oposição ao regime chavista, a começar por Julio Borges, coordenador do Primero Justicia (PJ); Henry Ramos Allup, Secretário-Geral da Acción Democrática (AD); Manuel Rosales, fundador do Un Nuevo Tiempo (UNT) e Leopoldo López, líder do Voluntad Popular (VP), partido do qual Guaidó faz parte. López, refugiado da Embaixada da Espanha em Caracas, desempenha um papel central no gabinete da Presidência Interina.

Guaidó também não se esqueceu de citar Andrés Velásquez, líder do La Causa R; à deputada Delsa Solórzano, que chefia o Encontro Cidadão, e a Roberto Enríquez, presidente nacional da Democrata Cristã Copei, asilo na Embaixada do Chile desde 2017. Os três assinaram acordo entre 27 partidos para boicotar e não participar do 6-D .

É importante notar que nem todos pretendem ingressar em Guaidó, por exemplo, Henrique Capriles criticou duramente os líderes da oposição nos últimos tempos.

O ex-candidato presidencial defende o aproveitamento do 6-D para demonstrar a força da oposição, o que o aproxima da tese apresentada pela Conferência Episcopal da Igreja Católica da Venezuela que pede uma resposta além da abstenção, mesmo votando contra Maduro nas urnas.

E, finalmente, a lista dos chamados inclui também María Corina Machado e Antonio Ledezma, cujas teses radicais os separaram da Unidade Democrática há muito tempo. O Vente Venezuela, partido de Machado, respondeu antecipadamente em sua conta no Twitter, afirmando que a única solução para a Venezuela é uma intervenção militar.

Para finalizar seu discurso aos venezuelanos, Juan Guaidó afirmou que “Chegou o momento decisivo para que todos os dirigentes nacionais assumam a responsabilidade que todos temos neste contexto difícil que necessariamente repensa a diretoria”.

E tão difícil!

As “eleições mais democráticas da história”, como as chama o Governo Bolivariano, serão realizadas com a intervenção dos principais partidos da oposição; com seus líderes incapacitados, perseguidos ou presos; com um Conselho Nacional Eleitoral (CNE) sob as ordens do Palácio de Miraflores e com a tradicional vantagem chavista apurada até ao último detalhe.

Enfim, nosso interlocutor, José Rafael Cotts, nos disse que a última coisa a perder é a esperança, apesar da terrível situação na Venezuela …

Amém!

Carlos Aurelio Caldito Aunión


                
                                    
                            

Deja una respuesta