“Eis a questão…”

Carlos Alberto Martins é casado e Licenciou-se em Teologia no Monte Esperança, Instituto Bíblico das Assembleias de Deus de Portugal. É escritor e ativista evangélico. Têm sido nestes últimos anos o principal organizador da «Marcha para Jesus » em Lisboa, que mobiliza milhares de evangélicos do Marquês até ao Rossio. Na última » Marcha para Jesus«, passaram pela Av. da Liberdade mais de 5.000 evangélicos de diferentes denominações.  

Davide Pereira: Amigo Ap. Carlos Martins, até quando vamos continuar a aceitar que nos imponham toda uma ideologia de esquerda em que as teorias do globalismo os portugueses já começam a sentir na pele?   

Carlos Martins: Eu questiono 

Tu questionas 

Ele questiona

Nós questionamos

Vós questionáveis

Eles questionam

“Ser ou não ser, eis a questão…”

Na verdade, defendo a definição por mais que doa…pois, ou somos ou não somos. 

Hoje, utiliza-se muito o talvez ou o “nim”, ( um sim falsificado ou carregado de negativismos ou de irresponsabilidade assumida; nem sempre; mas…)

Os portugueses dizem “não é carne nem é peixe…”

És contra ou a favor do natural ou por outras palavras: És anti natura e/ou contra natura…? 

Até onde vai a permissividade…? Até quando os portugueses vão continuar com a Bíblia fechada… 

Davide Pereira: “Tudo é permitido. Mas nem tudo convém…”

Carlos Martins: Quem sou eu na sociedade onde estou inserido ? E tu quem és ?

Temos consciência que tudo vale? Numa sociedade em que nos seus valores dão muita importância ao natural, ao biológico e por vezes até mesmo ao supérfluo. 

Consciente ou inconsciente, invertemos as nossas convicções e passamos a posicionarmos no lado anti natura ou até contra natura.

No contexto em que vivemos torno a afirmar, tudo vale e tudo é permissível contra os valores morais e princípios.

Mas questiono, será que é conveniente ou é salutar vivermos uma vida, sem regras e sem orientação…?

Numa sociedade que defende valores, porque descamba nas atitudes e acções, desvalorizando afinal as suas convicções primárias?

Deus, Pátria e Família.

Afinal de contas esse é a ambição de George Soros! Desvalorizar tudo e todos.

Coloco estas questões pois sou um ser racional, com capacidade para mudar ou influenciar o mundo à minha volta…

David Pereira: Uma última palavra aos leitores do Voz Ibérica?

Invisto na mudança ou deixo-me estar acomodado ?

Realmente  é caso para dizer: Chega de marasmo, vamos usar os ingredientes que cada um tem para o bem de todos, sem interesses pessoais, mas tudo a favor de todos de uma forma coerente e responsável.

Para o bem de uma sociedade em que todos estamos inseridos. 

Vamos ser luz e não trevas.

Chega. 

Carlos Alberto Martins. Activista Evangélico. PT.

Entrevista conduzida por Davide Pereira.

Deja una respuesta