O noticiário português «SÁBADO» mente descaradamente sobre a VOZ IBÉRICA e seus colaboradores.

“O castigo do mentiroso é inacreditável, mesmo quando ele diz a verdade” algum dia, Aristóteles.

«Você pode enganar todas as pessoas algum tempo. Você pode enganar alguns o tempo todo. Mas você não pode enganar a todos o tempo todo. » Abraham Lincoln.

Entre as pessoas com o sobrenome MARX nos últimos dois séculos, há duas especialmente conhecidas, uma delas, chamada Júlio (popularmente conhecido como “Groucho”) fez as pessoas felizes e deveria ter entrado na história como um grande filósofo.

O outro, chamado Karl, deixou milhões de seres humanos miseráveis ​​e seus seguidores são responsáveis ​​por mais de 150 milhões de mortes em apenas um século (a esses 150 milhões devemos adicionar também as causadas pelos nacional-socialistas, também discípulos de Karl Marx) .

Julius Marx, «Groucho», era um homem sincero, que cometeu «sincericídio», politicamente incorreto, e além de causar hilaridade, foi um «Pepito Cricket» (como o personagem da história de Pinóquio, de Carlo Collodi) no sociedade de seu tempo.

Pelo contrário, Karl Marx era, entre muitas outras coisas, um mentiroso inveterado, pessoa má, pai mau, marido mau … bêbado e fumante inveterado, um parasita que vivia às custas de sua família e amigos, e principalmente de seu patrono, Frederick Engels.

Karl Marx era um mentiroso e quando escreveu (quando trabalhava como jornalista) recorreu ao insulto, à difamação, à calúnia, e seus seguidores – é preciso admitir – são habilidosos, muito habilidosos na arte de mentir.

Há uma frase que, por mais que se repita, deixa de perder relevância que é atribuída a Goebbels e Stalin (ambos filhos do mesmo pai), que afirma que «uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade». A revista “SÁBADO”, com edição semanal em Portugal, mostra com a reportagem publicada hoje, 29 de outubro, que os seus editores-editores são fiéis e entusiastas seguidores de Goebbels e de Stalin, embora ainda tenham de treinar com mais perseverança para atingir o auge de ambos os mentirosos experientes.

Claro, dado o grande sucesso alcançado por Karl Marx e seus discípulos mais proeminentes, Stalin e Goebbels, na arte de mentir, os editores de «SÁBADO» ainda têm um longo caminho a percorrer.

Como se sabe, mentiras, mentiras ou falsidades são o oposto da verdade, da verdade, do real. Mentirosos são aqueles que têm o hábito de contar falsidades ou meias-verdades de propósito, por necessidade ou com ou sem motivo, ou por puro prazer. A experiência cotidiana nos leva à conclusão de que as pessoas essencialmente mentem, por duas razões por fraqueza (porque se sentem vulneráveis) e por causa do poder.

Os falsificadores, os mentirosos, os que mentem aparentemente têm certa vantagem sobre os outros, aqueles que conseguiram ganhar a sua confiança, quanto às suas palavras e ações … Mas, mais cedo ou mais tarde acabam sendo descobertos e desmascarados pela sua humilhação e vergonha; Claro, este último pouco importa para quem não o tem … A vitória dos mentirosos costuma durar muito pouco.

Aparentemente, os editores de «SÁBADO» pertencem ao grupo dos mitomaníacos, e sua regra é mentir patologicamente, continuamente, distorcendo a realidade, com o objetivo de torná-la mais «suportável» para seus leitores. O «SÁBADO», com o seu «modus operandi», demonstra mais uma vez que só pretende fazer populismo e demagogia, fugir da verdade, mentir muito para apoiar os poderosos, que tanto em Portugal como em Espanha , na Europa, no mundo somos mal governados.

Prova disso é o infame artigo em que mente descaradamente, com o intuito de denegrir a VOZ IBÉRICA, ao mesmo tempo que tenta desacreditar o nosso grupo de colaboradores, e em particular Pedro Dos Santos Frazao, por ter cometido o “pecado” para se juntar à equipa de gestão do partido Chega.

«SÁBADO» publicou hoje, 29 de outubro, um texto em que faz um gaspacho com ingredientes absolutamente indigestos, misturando intencionalmente coisas estúpidas de maior calibre. Recorre, nem poderia ser de outro modo, a rotular VOZ IBÉRICA de publicação de extrema direita e afirma que é, nada menos que, o altifalante de uma obscura organização que se autodenomina «Qanon».

Paralelamente, o “SÁBADO” aproveita para questionar a veracidade das reclamações apresentadas à Procuradoria-Geral da República, Procuradoria-Geral da República de Faro e Gabinete de Sintra, relatando detalhadamente questões relacionadas com o caso «Rui Pinto», e em especial relacionado com o «Disco número 8», de que o agora famoso hacker tinha na sua posse, quando foi detido na Hungria.

O disco 8 (insistimos, segundo as denúncias apresentadas ao Ministério Público) foi furtado e substituído por um falso para evitar que o conteúdo do disco verdadeiro fosse conhecido, visto que contém gravações especialmente comprometedoras de orgias, com abusos de crianças, no que envolvem uma multidão de «celebridades», políticos, empresários, presidentes de clubes de futebol e tantos outros. de um lado e do outro do «Raya». Nas queixas apresentadas ao Ministério Público, afirma-se categoricamente que em Espanha e em Portugal (e em alguns outros países) muitas das pessoas mais influentes são membros de uma rede de pedofilia, de maus-tratos.

Obviamente, não poderia ser de outra forma, um meio de informação como o «SÁBADO», decidiu tomar a iniciativa de difamar e caluniar aqueles de nós que fazem o VOZ IBÉRICA, com o objetivo de desinformar, deturpar, manipular … competências que caracterizam quem o faz. chamada de «mídia progressiva». Aparentemente, progresso, progresso a melhorar, segundo os editores do «SÁBADO» e outros meios de comunicação ligados ao governo social-comunista de Portugal, consiste em ser cúmplices daqueles que procuram acabar com o nosso modo de vida, de convivência, de acabar com a civilização Judaico-cristão ocidental. Cumplicidade que os leva a duvidar que existam pessoas poderosas que atacam, maltratam, violam e até matam as pessoas mais vulneráveis: crianças, que usam para se divertir em suas festas orgiásticas.

E, por fim, além de negar que a VOZ IBÉRICA tenha qualquer tipo de relação com supostas tramas como «Qanon» ou organizações semelhantes, das quais supostamente participam pessoas antivacinas ou que afirmam haver conspiração satânica ou bobagem semelhante; A VOZ IBÉRICA gostaria de fazer uma pergunta, uma daquelas que chama de «perguntas de milhões de dólares»:

 Quão verdade é que o juiz do caso Rui Pinto quer destruir os discos que foram apreendidos ao famoso hacker português, quando foi preso na Hungria há meio ano? Se for verdade, isso mostraria que existem muitas pessoas poderosas e influentes, em Portugal, Espanha, Europa e no resto do mundo que estão especialmente interessadas em não saber a verdade e que o processo judicial que enfrentam submeter Rui Pinto é puro teatro …

E, insistimos:

A vitória dos mentirosos é sempre passageira.

Carlos Aurelio Caldito Aunión.

Diretor de VOZ IBÉRICA.

Deja una respuesta