O BLOCO DE DIREITA E O MONUMENTO HISTÓRICO VANDALIZADO EM COIMBRA!

O homem é um animal social, que necessita de viver em sociedade. Em direito costuma-se dizer: Onde existe o Homem, existe sociedade, e onde esta existe, existe o Direito para a regular.
Portanto o Direito é um conjunto de normas reguladoras de certos comportamentos humanos numa determinada sociedade, num determinado momento histórico.

O direito muda de sociedade para sociedade e no tempo, consoante a moralidade, a ética, os costumes dessa sociedade, isto é práticas reiteradas com convicção de obrigatoriedade, etc.

Supostamente, no fundo o direito visa implementar numa certa sociedade um conjunto de regras e normas que irão pautar o comportamento dos membros desse grupo de pessoas, para que estes adotem os comportamentos conformes às normas de conduta existentes nessa sociedade. 

Será! E Coimbra.

Recentemente um grupo de vândalos teve a iniciativa de grafitar na Cidade de Coimbra a Estátua em bronze erguida em homenagem aos Heróis de Ultramar, representando um soldado a empunhar uma arma e a transportar uma criança aos ombros.
Revelando um comportamento cobarde e inglório, este grupo de vândalos escreveu a vermelho que estes heróis foram assassinos, como se pode ver nas fotos deste mesmo artigo, e como também o rotularam de fachos da mer..

Neste próximo sábado, dia 3 de Outubro pelas 15:00 horas, junto ao Monumento dos Heróis de Ultramar, um grupo de jovens do Bloco de Direita, num sinal simbólico de repudio a este acto de vandalismo, irá estar presente com o intuito de sensibelizar os portugueses para este tipo crescente de actos que últimanenre têm vindo a acontecer com estátuas e monumentos  que testemunham a nossa História e o nosso heroísmo nacional. 
Será um acto de puro civismo da parte de um punhado de jovens líderados pelo Sr. Daniel Leal, líder dos jovens do Bloco de Direita. O convite para este evento foi públicado no facebook.

Vandalizar é fácil, limpar é difícil. Precisamos de mais voluntários. Quem quer ajudar?

Entretanto o Jornal Voz Ibérica teve conhecimento através do Sr. Max Brito, conselheiro do Bloco de Direita, que também no sábado dia 10 de Outubro, depois de serem cumpridas todas as formalidades necessárias, apartir das 15:00 horas, será limpo este símbolo que não pertence apenas à história da Cidade de Coimbra, mas também a todos nós portugueses e patriotas. 

O Jornal Voz Ibérica contactou com o Sr. Daniel Leal que nos disse o seguinte:
É impossível de tempos a tempos não ser surpreendido com as novas tendências. 
Uma dessas novas tendências é o vandalismo de monumentos históricos, que no entender destes grupos será em prol de uma qualquer causa superior. 
Acredito que tomam tais iniciativas por não terem ainda reparado que existe uma necessidade intrínseca de valorizar e preservar os elementos históricos do nosso país.

A verdade é que todos temos um período da nossa história com a qual nos podemos identificar mais ou menos, mas nada justifica privar as gerações futuras da sua História, mesmo que desagrade a alguns. 

Tenho quase a certeza que se fossemos perguntar qual a opinião neste tópico, a maioria de nós, inclusive nesses grupos, iria concordar de uma forma ou de outra o revisionismo histórico é inadequado. Porém, a destruição de monumentos públicos assinala um passo em direção a esse sentido.

Para além de simplesmente assinalarem uma data específica, os monumentos costumam ter algo para nos contar que não se resume a histórias de triunfo ou superação, elas transmitem um lado mais humano e muito nosso sobre o sofrimento das gerações passadas que importa respeitar.

Os monumentos tornam-se marcos da história, ajudam-nos a montar o enorme puzzle que nos trouxe aos dias de hoje. A destruição dos monumentos implica a destruição de peças neste puzzle. É algo que todos nós devemos procurar nos opor, afinal de contas como podemos esperar que as gerações futuras possam compreender e conectar-se com o seu país quando se removem os vínculos para tal?

Reforço que nos dias de hoje existe esta necessidade de estarmos alertas e ser proativos na preservação do nosso património. Protegê-lo de eventuais atos de vandalismo por cegueira ideológica.

As acções de reparação de monumentos podem inclusivamente tornar-se num espaço propício ao convívio e à educação. Deste modo convido todas as pessoas de bem para que se juntem a nós nestas acções que são em prol do bem comum de todos nós.

O lema do Bloco de Direita é,  Importa mais o que nos une, que aquilo que nos separa. 

Vandalizar é fácil, limpar é difícil. Precisamos de mais voluntários. Quem quer ajudar?

O Jornal Voz Ibérica irá acompanhar este Projecto de Grande Civismo e Patriotismo.

Davide Pereira.