EXCLUSIVO: Presidente Trump está já com “HIGH ENERGY”; a verdadeira ameaça chama-se “ANTIFA “ (plano terrorista para derrubar a White House estava previsto para hoje)

Todos nós desejamos as rápidas melhoras ao Presidente Trump – Presidente da grande nação Americana e do Mundo Livre.

O Presidente Trump foi o acontecimento político mais relevante e consequente desde há décadas – pela sua defesa incansável (e imbatível) do patriotismo e do americanismo, contra as forças globalistas (que incluem gente da classicamente designada esquerda e da classicamente designada direita). As nossas orações estão com o Presidente Trump e a Primeira-Dama, Melania Trump (bem como com a sua colaboradora na “White House” e pessoa da sua mais elevada confiança, Hope Hicks).

A VOZ IBÉRICA obteve, a partir de Washington D.C, a informação de que o Presidente Trump está recuperando muito bem, prosseguindo o seu trabalho a ritmo normal – tendo até referido a um dos seus assessores que já se estava sentido cheio de “high energy”, pronto para deixar o Walter Reed National Military Medical Center de imediato.

Estamos igualmente em condições de avançar, em primeira mão, que o Presidente Trump, com o parecer favorável da sua equipa médica, regressará à White House nos próximos dias – estima-se que até quinta-feira, o Presidente Trump retome o seu trabalho a partir da residência oficial do Presidente dos EUA.

A situação está, pois controlada –  e é um (triste) sinal dos tempos que a comunicação social de esquerda tenha inventado estórias apenas para favorecer os progressistas-retrógrados dos democratas (não democráticos).

A ideia lançada pela CNN de que o Presidente Trump estaria a ponderar renunciar à Casa Branca e desistir da recandidatura para se instalar na Flórida, em Mar-a-Lago, é uma parvoíce inominável – só não é grave porque já ninguém liga às parvoíces da C(hannel of) N(otorious) N(onsense). Nos últimos quatro anos, o mundo ganhou uma resistência à prova da estupidez da CNN – já só se vê aquele (pouca) reality (muito) show de quarta categoria para fins de entretenimento bizarro.

Obviamente, como seria previsível, a esquerda radical dos democratas começou logo a sua tática preferida: a criação de teorias da conspiração para lançar dúvidas sobre a seriedade e o carácter do Presidente Trump – até no momento em que o líder dos EUA e do mundo livre está debelando o vírus do Partido Comunista Chinês, a esquerda radical entrou na sua onda “conspiranóica” insinuando que tudo não passa de uma estratégia de campanha do Partido Republicano.

Ai, a esquerda e as suas ridículas teorias da conspiração! Factos e esquerda (pelo menos, a extrema-esquerda que domina a nível global) são inconciliáveis.   

Dito isto, a verdade é que o Presidente Trump não está enfrentando apenas o vírus do Partido Comunista Chinês. Há outras ameaças em relação às quais o Presidente tem que ter particular atenção – porque, na verdade, têm a potencialidade de se revelarem mais letais que o próprio vírus do Partido Comunista Chinês. Expliquemos.

Nos últimos dias (horas antes do debate entre o Presidente Trump e Joe Biden, aka Sleepy Joe), os serviços de inteligência norte-americanos recolheram informações sobre a organização pelos grupos terroristas domésticos “ANTIFA” e “BLACK LIVES MATTER” de um conjunto de ações violentas nas principais cidades norte-americanas – incluindo em Washington D.C.

Segundo informações recolhidas na “dark web” e em mensagens através de chats de apps , as autoridades de segurança – FBI, em articulação com a CIA ( o que não é despiciendo – pelo contrário, tem aqui um significado muito relevante…), com outras autoridades de segurança interna – identificaram uma manifestação que estava preparada para ocorrer hoje, de surpresa (que seria vendida como “espontânea”, fruto da reação das “massas excluídas” face à pseudo e inventada “não condenação do discurso supremacista branco” pela atual Administração), junto à White House.

Não se trataria, porém, de qualquer manifestação pacífica (ou sê-lo-ia apenas para Joe Biden e seus apoiantes), nem apenas mais um protesto violento: o plano que os manifestantes divulgaram nas suas redes sociais e na “dark web” expõe com detalhe como planeavam invadir a White House, ocupar a “South Lawn” (porque seria de mais fácil entrada) e daí passar para as áreas reservadas do Presidente Trump, sua família e equipa.

Este plano teve como inspiração o filme “White House Down”, da Columbia Pictures, havendo várias alusões às suas personagens e ao argumento do filme.

Os ANTIFA há muito que vinham proclamando vingança contra o Presidente Trump pela sua classificação como organização terrorista doméstica – tais ameaças intensificaram-se após o debate (o que significa que os próprios percecionaram a derrota…).  

Resta saber se Joe Biden e sua equipa tinham conhecimento destas intenções de prática de atos terroristas, contra o Presidente dos EUA: há sinais que não são lisonjeiros para Biden e sua equipa.

Não deverá, pois, ser coincidência que Zara Rahim – antiga colaboradora da Administração Obama e pessoa muito próxima de Hillary Clinton, para além de confessa apoiante de Joe Biden – tenha escrito um tweet (não apagado) desejando a morte do Presidente Trump.

Este tweet foi coordenado com alguns membros do DNC (a estrutura dirigente do Partido Democrata) – e apenas ocorre porque Zara Rahim sente que goza de…digamos…impunidade por alguns setores do “establishment”.

Percebe-se a frustração da  lobbysta política, muito próxima de Hillary Clinton: porventura, ela tinha conhecimento das iniciativas violentas dos grupos radicais terroristas da extrema-esquerda previstas para o presente fim-de-semana.  

Neste contexto, perante os sintomas ligeiros sentidos pelo Presidente Trump, o serviço de proteção pessoal do Presidente, em articulação com o FBI e CIA, decidiram mover o Presidente para o Hospital Militar situado no estado do Maryland (próximo da White House), incrementando, desta forma, as condições de segurança do Presidente.

É uma medida habitual de reação ao risco seguida pelos serviços de segurança e intelligence: havendo uma ameaça, com um risco sério e elevado, opta-se pela deslocação do target para sítio especialmente seguro e com efeito surpresa. O Presidente Trump está, pois, a exponenciar (não apenas recuperar) a sua boa saúde – e em máxima segurança.

Esta decisão foi tomada na sexta-feira, na véspera do ato terrorista que estava em preparação pelos “ANTIFAS” e “BLACK LIVES MATTER” – o facto de o Presidente Trump ter contraído o vírus, com sintomas ligeiros, quebrou a mobilização e a estratégia política de quem está por detrás destes grupos terroristas.

Ontem foi dada ordem de desmobilização, após a mensagem de distensão de Joe Biden, em execução da sua estratégia política de aparecer agora como o “homem que une” depois de ter desunido. As iniciativas destes dois grupos terroristas foram canceladas em outras cidades dos EUA – incluindo, e em destaque, no Missouri – evitando-se o clima de tensão, de divisão, de destruição e de caos (de que esta esquerda radical tanto gosta) que muito prejudicam o povo norte-americano.

O Presidente Trump – e os seus serviços de proteção e inteligência – poderiam ter deixado prosseguir tais atos terroristas, capitalizando politicamente com eles; o povo americano veria, finalmente, a verdadeira natureza destes democratas e dos seus grupúsculos (como alguém os apelidou, destes “democrats gangs streets”).

Ao invés o Presidente Trump manteve o seu compromisso intacto: primeiro, sempre a defesa do povo americano, mesmo que a expensas dos seus interesses eleitorais imediatos.

Adicionalmente, podemos avançar que, face à mencionada ameaça de segurança, os membros da família Trump estão fora de Washington D.C e sob medidas apertadas de segurança. O mesmo sucede, aliás, com os juízes do Supremo Tribunal dos EUA: os juízes conservadores – com destaque para os nomeados pelo Presidente Trump, Neil Gorsuch e Brett Kavanaugh – estão sob forte vigilância pelas autoridades de segurança, pois os seus nomes constavam expressamente dos planos de ataque dos grupos esquerdistas terroristas domésticos.

Em sítio seguro, fora de Washington D.C e do seu perímetro habitual de atuação, está igualmente a juíza indicada pelo Presidente Trump para substituir a “Justice” Ruth Bader Ginsburg: a Juíza Amy Coney Barrett e sua família foram alvo de ameaças de morte pelos “ANTIFAS”, constando expressamente no plano de ações violentas programadas para este fim-de-semana. Até fotografias das suas filhas menores circularam entre estes terroristas criminosos – apelidados pelos media e pelos democratas como “ativistas”.

Gina Haspel - Wikipedia
Gina Haspel, diretora CIA, nomeada pelo Presidente Trump (sucedendo a Mike Pompeo)

Para além de ser mais um gesto de inexcedível resistência e de enorme patriotismo do Presidente Trump, a forma como as agências de segurança e de inteligência dos EUA trabalharam neste caso evidencia o trabalho exemplar da Administração dos EUA em exercício de funções na reforma e melhoria da CIA e do FBI.

Gina Haspel (Diretora atual da CIA) e Mike Pompeo (o Secretário de Estado e anterior líder da CIA) merecem todo o crédito pela elevação dos serviços de intelligence dos EUA ao patamar de excelência – quer a nível analítico, quer a nível estratégico, quer a nível operacional.

Retenhamos o essencial: o Presidente Trump está de boa saúde, com energia e muita vontade de trabalhar – e em segurança face às ameaças dos terroristas domésticos dos“ANTIFAS” e do “BLACK LIVES MATTER”.

P.S – Ao contrário do que tem sido propalada pela comunicação social – a TVI meteu uma jornalista em Washington, afirmando que a White House está escondendo informação, sendo pouco clara e transparente (?) -, a equipa do Presidente Trump tem passado toda a informação relevante e que é suscetível de ser divulgada.

Naturalmente, as ameaças à segurança do Presidente pelos grupos terroristas impedem a prestação de esclarecimentos adicionais – assim como o regresso do Presidente dos EUA à White House não será anunciada com antecedência…Mas ocorrerá nos próximos dias.

KEEP AMERICA GREAT – AND GREATER THAN EVER BEFORE!