Doutrina Kamala: Marcelo é o primeiro Presidente negro português

Kamala Harris – com alguma surpresa, atendendo à relação pessoal não propriamente muito cordial com Joe Biden – é a escolhida dos democratas para o ticket democrata. Logo as redações dos media europeus saltaram de alegria, rejubilaram: se é candidata democrata, só pode ser a melhor candidata à vice-presidência do mundo!

Só pode ser santa, o apogeu da Humanidade, uma verdadeira síntese de todas as virtudes humanas – aquela que foi perseguida pelos jornalistas durante as primárias quando ameaçou a vitória de Joe Biden, quedando-se depois por uns míseros cerca de 2% nas primárias democratas – tornou-se agora a maior política de todos os tempos…para os mesmos jornalistas! É assim: como o jornalismo há muito que cedeu à pura propaganda, nada nos admira nos tempos que correm…

Terá Kamala Harris virtudes políticas? Claro que sim. Desde logo revela uma capacidade notável de se transformar em representante de todas as minorias excluídas em tempo recorde.

Se nas primárias Kamala Harris se apresentava como de descendência indiana, hoje – após o fraquíssimo resultado eleitoral da sua encarnação política indiana – a candidata à Vice- Presidência de Joe Biden assume-se como a primeira Vice afro-americana! Fantástico – nunca a ciência política conhecera tão notável mutação.

Há pessoas que mudam de ideologias políticas, há pessoas que mudam de partido político – e agora há Kamala Harris que muda de descendência biológico-política. As doutrinas da biopolítica têm aqui uma oportunidade imperdível para, elas próprias, se…reinventarem.  

Além disso, Kamala Harris é uma verdadeira homenagem, literalmente em pessoa, aos “Marxs” – ao Karl e ao Groucho. Ao Karl, porque Kamala já ensaia a deriva para a esquerda, quer em termos económicos, quer em termos socioculturais.

Ao Groucho, porque tal como o comediante norte-americana afirmava que “estes são os princípios: se não gostas, ofereço-te outros”, também Kamala Harris passará a ser uma referência da volatilidade subjetiva oportunista: a convicção política da democrata californiana poderá ser resumida na seguinte frase – “ sou desta minoria; se não gostares, poderei ser de outra!”. Ou, então, em termos mais diretos: “ esta sou eu; se não gostares, posso ser outra!”.

Vimos nas linhas anteriores o primeiro axioma da doutrina Kamala Harris. Esta não fica, porém, completada sem a enunciação do segundo axioma: para a parceira de Joe Biden no ticket democrata, a cor da pele é o fator determinante para a inclusão em certo grupo social, racial ou étnico.

 Para Kamala, ser negro é não ser branco.

Não se liga à cultura, à histórica, à descendência ou outro fator estrutural – não: ser negro é…vá…ter a pele mais escurinha. Uma pessoa mais bronzeada já pode candidatar-se como afro-americano nas próximas eleições, segundo a doutrina Kamala Harris.

A ignorância anda à solta na cúpula do Partido Democrata norte-americano. No entanto, eis uma boa notícia para Portugal: teorias da conspiração já dizem mesmo que Kamala se inspirou na experiência portuguesa e no Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

É que com o bronze de Marcelo, com as suas idas frequentes (sempre com um jornalista, por coincidência, à espreita) à praia, e agora no seu périplo pela Madeira e pelo Algarve em plena pré-campanha eleitoral, o bronze de Marcelo é invejável. O bronze de Marcelo já o tornou “escurinho”, já o tornou não branco – ou seja, já o transformou num político com descendência africana, segundo Kamala Harris.

Para aqueles que julgam que Portugal é um país com racismo institucional e sistémico, em que há uma subrepresentação das nossas comunidades africanas, Kamala Harris veio teimosamente contrariá-los: o Presidente português é, afinal, afrodescendente. Marcelo Rebelo de Sousa é o primeiro Presidente negro da História lusitana.

É que, comparando o bronze da tez de Marcelo com a tez de Kamala Harris, Marcelo ganha claramente. Utilizando a terminologia da doutrina Kamala, Marcelo seria mais afro-americana do que Kamala…

P.S. – Será que a comunidade afro-americana – que tanto tem sido defendida pelo Presidente Trump – vai levar Kamala Harris a sério? Duvidamos…

estevesjlemanuel@protonmail.com

Deja una respuesta