CRÔNICA DO MEU ENCONTRO EM CASCAIS (PORTUGAL) COM DIOGO PACHECO AMORIM

No último fim-de-semana viajei a Lisboa com o meu amigo e “orientador de investigação” Chris Coleman, para me encontrar com o nosso Director de Conteúdo, João Lemos. Foi um dia cativante e produtivo que, além de nos dar a oportunidade de nos conhecermos melhor, nos ofereceu a oportunidade de continuar a moldar, especificar, aperfeiçoar esta Plataforma de Comunicação, sem censura, para a Comunidade Ibero-americana e Sefardita, que deixou de ser uma projeto, para se tornar uma realidade de sucesso.

Nosso Diretor de Conteúdo, “Juan”, tinha uma agenda intensa e extensa reservada para nós. Entre muitas outras agradáveis ​​surpresas, estava previsto que nos encontraríamos com o Embaixador em Portugal de Juan Guaidó, Presidente Interino da Venezuela, José Rafael Cotts; Tivemos também a enorme honra, o grande presente de passar a tarde com o Dr. Diogo Pacheco Amorim.

O encontro com Diogo Pacheco Amorim é o que vamos falar a seguir. Em outra ocasião falaremos da entrevista com José Rafael Cotts.

Diogo Pacheco Amorim é relativamente conhecido em Portugal, pela sua longa trajetória como homem público, tanto pela sua participação na política como pela sua carreira de professor. Embora seja possível que as gerações mais novas (que desconhecem tudo, ou quase tudo, da história recente de Portugal) quase nunca tenham ouvido falar dele. Claro, para os cidadãos do «país vizinho», a Espanha, é certo que o Dr. Diogo Pacheco Morim é um completo estranho …

Diogo Pacheco é vice-presidente do partido político “Chega”, presidido por André Ventura.

Quando André Ventura se dirigiu aos meios de comunicação, no Palácio de Belém, após ter sido eleito deputado pela Assembleia da República de Portugal como representante do partido Chega, estava ao seu lado um homem grisalho, de feições fortes e sérias, sua presença demonstrava sua enorme capacidade de influência, apesar de durante o ato não ter aberto a boca. O homem que acompanha André Ventura é Diogo Pacheco de Amorim, vice-presidente do partido. Seu rosto pode ser desconhecido do grande público, mas suas idéias não: ele é o ideólogo do partido Chega.

Falar de direita portuguesa, desde a queda do regime de Salazar, é falar de Diogo Pacheco Amorim; Aos 71 anos, sua trajetória de vida se confunde com a história da direita em Portugal.

Integrou o movimento estudantil do seu tempo, que desafiou a descolonização e defendeu Portugal e as províncias ultramarinas como um todo. Foi exilado em Madrid para fugir do COPCON, Comando Operacional de Portugal Continental, criado pelo Presidente António de Spínola, para fazer cumprir os objectivos estabelecidos no projecto apresentado pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) após a Revolução de os Cravos de 25 de abril de 1974 em Portugal. Passou também por partidos como o Movimento para a Independência e Reconstrução Nacional (MIRN), e posteriormente pelo CDS-PP e pela Nova Democracia, onde foi ideólogo com Manuel Monteiro.

Tentar resumir uma entrevista tão longa e densa, muito densa é muito complexo e serviria para um longo ensaio; por isso vou tentar destacar as ideias mais marcantes do longo diálogo que tive com o Diogo Pacheco Amorim:

Em primeiro lugar, devo salientar que esta imagem de homem de feições fortes e sérias não corresponde à realidade, pelo contrário, Diogo Pacheco é um homem amável, cordial, bom conversador, próximo, acolhedor.

Depois de falar, como era obrigatório, de seu longo currículo na política; Vamos agora falar da realidade de Portugal, da triste realidade a que o governo social-comunista conduziu Portugal e os portugueses nos últimos anos. Escusado será dizer que, inevitavelmente, a partir deste momento esteve presente e com frequência surgia que as realidades de Espanha e Portugal (infelizmente) são semelhantes, quase idênticas.

Diogo Pacheco Amorim sublinhou especialmente que o seu partido, Chega, pretende inspirar, reconquistar todos os portugueses que se sentem traídos, não representados no Parlamento; aos cidadãos que não participam no consenso social-democrata, aos que consideram que há questões inalienáveis ​​que nenhum partido com presença na Assembleia da República defende. Estamos falando sobre o direito à vida (desde a concepção até a morte natural), o direito à liberdade e à propriedade. Também estamos falando sobre a defesa da economia de mercado livre, do Estado de Direito, da separação estrita de poderes; da defesa das tradições judaico-cristãs, modo de vida e civilização,

Sem dúvida, Diogo Pacheco não poderia deixar de nos lembrar o quão mal, completamente mal, foi efectuada a integração de Portugal na União Europeia (nesta ocasião, inevitavelmente, também concordamos que a integração de Espanha não foi tão boa como teria sido desejável). Estamos a falar dos enormes danos que sofreram a indústria, a agricultura e o sector dos serviços… e que as várias melhorias, ajudas, subsídios, etc. por mais que os trovadores politicamente e socialmente corretos digam o contrário, eles não compensaram nem remotamente as enormes perdas que a incorporação de Portugal à UE causou.

Diogo Pacheco Amorim fez menção especial às várias imposições, quotas, demissões que foram levadas a cabo pela UE e que sempre pesaram sobre os que se dedicam à agricultura, pecuária, pesca e indústria em Portugal agroalimentar… (Claro, naquela época a Espanha também vinha sofrendo as mesmas consequências).

Falámos também da terrível realidade da fuga de cérebros, da constante saída para o estrangeiro de jovens portugueses bem preparados, à procura de emprego, porque em Portugal eles não têm futuro.

E, não poderia ser de outra forma, surgiu a má qualidade do ensino ministrado nos centros de estudos, do ensino fundamental à universidade. E, da necessidade urgente de uma reforma profunda, para recuperar os níveis de qualidade que a educação em Portugal teve nas últimas décadas.

Inevitavelmente, surgiu a corrupção do sistema, a necessidade urgente de, como se diz na Espanha, pegar o touro pelos chifres e levar o assunto a sério, começando por criar uma lei sobre as responsabilidades dos cargos e cargos eleitos …

Em suma, estamos a falar da situação devastadora e terrível que Portugal sofre; mas, apesar de os diversos estudos de opinião refletirem que o partido preside Antonio Costa, é bem possível que saia triunfante em novas eleições; a ponto de possivelmente o Partido Socialista não precisar do apoio do Bloco de Esquerda; Porém, (no entendimento de Diogo Pacheco Amorim), a situação ainda pode ser revertida, se o seu partido conseguir arrastar os colégios eleitorais para aquele setor da população que coincide plenamente com seu projeto político, com seu programa de governo …

Para começar, o partido político Chega traz uma mensagem estimulante, intimamente ligada a quem, em Portugal, sempre se considerou, sem complexos, abertamente de direita.

E para finalizar, falamos também da festa que supostamente é igual ao Chega, do outro lado da fronteira, quer dizer VOX. Observei que Diogo Pacheco Amorim não tem informações completas sobre o partido presidido por Santiago Abascal. Permiti-me alertá-lo que a VOX já esqueceu as grandes promessas com que entrou na política, como a defesa da Nação Espanhola contra o separatismo; a defesa da vida, contra o aborto, a promessa de revogar as leis do «gênero» e muito mais. Sobre o qual, apesar de estar amplamente representado nas instituições, não fez uma única proposta legislativa, nem reforma das leis existentes … Avisei para o enorme risco que o Chega corre de se tornar um barracão capaz de fazer muito barulho , e lutar e debater de forma estéril com os socialistas e comunistas, mas não para construir, para não apresentar nenhum projeto sério; e ainda mais nestes momentos em que Portugal (tal como Espanha) sofre uma terrível crise económica e institucional, agravada pela crise de saúde pública provocada pelo cobid19, pela pandemia do coronavírus.

Diogo Pacheco Amorim me jurou várias vezes que tal coisa nunca aconteceria com Chega …

Já disse, um prazer, um privilégio, um enorme presente poder usufruir da companhia de Diogo Pacheco Amorim.

Carlos Aurelio Caldito Aunión.

Deja una respuesta