Contra a mentira e contra a «tirania médica»!

Dia após dia os meios de comunicação: periódicos, rádios, televisões … falam-nos da necessidade de certificados, «passaportes» de vacinação e restrições a centenas dos nossos direitos e liberdades, mas o que está no fundo é um grande conflito entre os poderes de facto e mortais comuns, pessoas comuns; Aumenta o número de cidadãos insatisfeitos com o intervencionismo estatal, o controle político e econômico sem precedentes que os governantes têm assumido, com base em uma suposta crise de saúde pública que também nos conduziu a uma profunda crise institucional, política e política. e moral.

Desde los Bloqueos a "El Gran Reinicio" - "The Great Reset"

Já há muitos que pensam que esta «crise» foi «fabricada», pensada expressamente e que na realidade não existe tal crise, muito menos a necessidade de prisão domiciliária, limitação do direito à livre circulação das pessoas, à liberdade de comércio, etc. São legião e aqueles que pensam que os «passaportes» ou certificados de vacinação são arbitrários, são absolutamente desnecessários.

Estamos enfrentando um vírus que sobreviverá 99,7% das pessoas; Isso é demonstrado por centenas de estudos e estatísticas, tanto governamentais quanto da iniciativa privada, «estudos independentes»; Mas, apesar disso, por motivos que a maioria da população ignora, os governos da maioria dos países estão aterrorizando seus cidadãos, semeando o pânico, e tudo isso com o apoio entusiástico da maioria dos meios de comunicação e formadores de opinião.

Por que dizem às pessoas que a única solução possível é renunciarmos a todas as nossas liberdades e ao nosso direito de decidir sobre a nossa saúde, «autonomamente»? 

Por que 99,7% da população precisa se trancar, passar por prisão domiciliar, se mascarar e se submeter a uma vacina experimental, sem testes que demonstrem sua eficácia?

Por que 0,26% das pessoas que realmente correm o risco de se infectar e morrer pelo vírus simplesmente não tomam precauções ou ficam em casa enquanto o resto das pessoas continua com sua vida normal?

Estamos testemunhando uma suposta epidemia (com traços, dizem eles, de uma «pandemia») que, pela primeira vez na história conhecida, está servindo de pretexto para os governantes isolarem os não infectados por meio de várias formas de «quarentena».

Se você parar para pensar, rapidamente chegará à conclusão de que o mais eficaz teria sido destinar dinheiro dos nossos impostos para ajudar aquele 0,26% da população que realmente corre o risco de contrair a doença e morrer. 

Os vários governos, bancos centrais, etc. Eles estão «queimando» bilhões de euros para – supostamente – evitar que empresas vão à falência por completo, e para evitar que trabalhadores «não essenciais» que estão desempregados (embora camuflados por eufemismos como «estes» e similares) morram de fome durante os anos Várias prisões domiciliares decretadas pelos governantes e a conseqüente paralisação da economia decorrente do isolamento da população. Mas, neste ponto, qualquer pessoa moderadamente informada – e educada – chega à conclusão de que a economia poderia ter continuado a funcionar todo esse tempo e pago uma fração desse dinheiro para ajudar a pequena minoria de pessoas que são realmente vítimas da doença.

Apesar de os diversos meios de comunicação, os «tertulianos», formadores de opinião, trovadores, bajuladores, bufões e outros «bem-vindos» pelos governos afirmarem que a taxa de mortalidade dos covid19 é muito superior. Não é. De acordo com vários estudos ‘independentes’ (e também muitas estatísticas governamentais), a taxa média de mortalidade por infecção covid é de apenas 0,26%. É um fato irrefutável. São dados científicos de acordo com a grande maioria dos estudos médicos realizados até o momento. 

O mundo inteiro está sendo bloqueado e nos dizem que devemos renunciar aos nossos direitos e liberdades porque 0,26% da população pode acabar sofrendo de uma infecção sórdida e morrer. Por quê?

Pois bem, a resposta é fácil: porque as restrições da Covidien nada têm a ver com saúde pública e são o pretexto perfeito para que os governantes acabem por tomar decisões de controle público, adotando atitudes totalitárias, liberticidas.

Uma vez aqui, algumas questões surgem inevitavelmente:

Quem tem o direito de controlar tudo o que diz respeito à nossa saúde? 

Quem está qualificado (muitas vezes somos chamados de «especialistas») para controlar nosso direito constitucional à vida, à liberdade e ao direito de buscar prosperidade e felicidade?

 Desde quando políticos, burocratas, governantes têm o poder de nos dizer o que devemos pensar, o que devemos dizer (ou não), onde e quando devemos trabalhar, onde podemos comprar, onde podemos vender, onde podemos caminhar ?, para onde podemos viajar, em que devemos acreditar, como devemos comer, como devemos nos amar …?

Quem ou quem lhes deu tal poder?

A resposta é NINGUÉM, exceto você. Mas, é claro, aqueles que «acreditam» na versão oficial e aqueles que se beneficiam da pandemia afirmaram que devemos renunciar aos nossos direitos quando a vida de outras pessoas estiver «em risco». É o velho eufemismo do contrato social, o pretexto perfeito dos coletivistas: você é «parte de uma sociedade», de um grupo e, portanto, a sociedade tem o direito de limitar ou suspender seus direitos. 

Esses argumentos são absolutamente absurdos, estúpidos, absurdos, mas é a estratégia clássica usada por todos os totalitários em todas as épocas e também nos tempos modernos. Aqueles que se escondem atrás do «bem comum», ou do interesse coletivo, NUNCA realmente se importaram com o que a «sociedade» quer, sempre foi exclusivamente sobre o que os déspotas, os tiranos querem.

Conforme indicado por inúmeros estudos «independentes» e algumas organizações governamentais ou internacionais (também governamentais), existem inúmeros fatos e evidências científicas, demonstrando que, ninguém que queira ficar de fora das proibições que estão sendo impostas sob o pretexto do cobiçado, ou não se submete aos passaportes «obrigatórios» ou certificados de vacinação, NINGUÉM está colocando outras pessoas em maior risco do que já existe. 

Devemos continuar a insistir, mais uma vez, que a taxa média de mortalidade por covid é de 0,26% e nem restrições, nem proibições, nem máscaras, nem vacinas impediram as infecções por COVID. Curiosamente, foram os países em que os governos decidiram as limitações mais severas aos direitos e liberdades e impuseram o uso obrigatório de máscaras que apresentaram as taxas mais altas de infecção nos últimos 18 meses. Mesmo agora, milhares de pessoas totalmente vacinadas estão pegando COVID em «surtos», e algumas delas estão morrendo. Infecções e mortes diminuíram em janeiro, muito antes de as vacinas serem fabricadas e amplamente distribuídas. Os fatos mostram que as vacinas não deram resultado, ou quase nada …

Sou daqueles que consideram que, se estivesse entre os 0,26% das pessoas que correm o risco de morrer, seria um canalha, uma imoralidade absoluta, exigir que os outros 99,7% da população renunciam aos seus direitos e liberdades. e as liberdades de seus filhos para que eu me sinta um pouco mais seguro. Além do mais, seria um ato de loucura egoísta.

Mas … E se o número de mortos devido ao vírus fosse muito maior? E se fôssemos para o Ebola ou algum outro patógeno semelhante? E se 1 em 100 pessoas corressem o risco de se infectar e morrer? E se 1 em cada 10 pessoas corresse esse risco? Então, as decisões tiránicas dos governantes e os bloqueios massivos seriam aceitáveis? A resposta é NÃO, eles não seriam.

Porque não? Bem, não serei eu quem depositar a minha confiança cega em governos compostos de elitistas e globalistas corruptos. Quem são eles para decidir o que é melhor para nós e o que deve ser o nosso melhor interesse? Que experiência, que treinamento, que qualificação essas pessoas têm para reivindicar o poder de nos «proteger», por que merecem a confiança pública? A única verdade é que eles NÃO são qualificados e nunca serão.Esta é a filosofia clássica de quase todos os monstros totalitários e liberticidas que já existiram. Esta é a ideologia dos sociopatas narcisistas. Também a religião dos robôs sem alma. Alguns dos maiores males conhecidos pela humanidade foram cometidos em nome do interesse geral, do bem comum, em benefício da maioria … Sacrificar as pessoas individualmente. Este mantra não pode ser tolerado em nenhuma circunstância; Não pode ser permitido infectar nossa nação (e outras nações) e suplantar nossos valores mais profundos, aqueles dos quais sempre nos recusamos a abandonar. Porque se acontecer, podemos acabar sendo escravos do sistema por muito tempo.

Tenha em mente, não se esqueça, que o objetivo dos globalistas e dos governos que seguem fielmente suas ordens, é manter as restrições, as limitações de direitos e liberdades, em vigor sine die, indefinidamente.

A grande mídia tem constantemente criticado, ridicularizado, criminalizado aqueles que se atrevem a afirmar que os governos acabariam impondo passaportes e certificados de vacinação, e falam e falam sobre «teorias da conspiração», e chama aqueles que as contradizem de «conspiranoicos» … Porém, agora admitem abertamente que o plano é instituir passaportes e – obrigatórios – certificados de vacinação, e o defendem com veemência. Discutem com verdadeiro fervor como poderiam FORÇAR ou obrigar a todos a se vacinarem, mesmo contra sua vontade, e mesmo que a suposta vacina seja inútil.

Podemos fazer muitas conjecturas sobre o verdadeiro propósito dos globalistas e governantes que seguem seus slogans, mas não esqueçamos que a vacinação obrigatória é a chave que abre a porta, é o único recurso de que dispõem para impor passaportes e certificados de vacinação. Passaportes e certificados são a chave para tudo. Sem eles, a tirania à qual os apoiadores e promotores da «nova ordem mundial» aspiram não pode ser estabelecida. Sem passaportes, eles não podem influenciar a população ou decidir o que podemos ou não fazer com nossas vidas. Eles PRECISAM dos passaportes para fazer o «Big Reset». Sem um sistema de «papéis obrigatórios», seu «reset» entrará em colapso.

É por isso que o cidadão comum impede que os certificados de vacinação e os passaportes se consolidem e se enraízam. 

Devemos boicotar o programa global, liberticida e totalitário, devemos detê-lo e destruí-lo.

VOZ IBÉRICA não é um periódico de grande influência (dizer o contrário seria enganar nossos seguidores), VOZ IBÉRICA ainda não tem a capacidade de influência que aqueles de nós que nele escrevem desejaríamos, entre pessoas decentes, bons espanhóis, pessoas de bem vontade, afirmar o contrário seria mentir. A VOZ IBÉRICA também não é um agente “influenciador” no YouTube ou em qualquer plataforma de mídia. A VOZ IBÉRICA não conta com o aval de uma grande empresa, nem com o dinheiro necessário para promover uma campanha nacional. Quem assina no final deste artigo, como quem costuma colaborar com a VOZ IBÉRICA, somos apenas pessoas que amam valores como a liberdade, a razão e, afinal, a “fé” que dá sentido à Humanidade; é por tudo isso que somos levados a afirmar abertamente que é essencial organizar, sem demora, uma «frente» contra sumani, contra a tempestade negra da iminente ditadura totalitária, o liberticídio. Amanhã poderá ser muito tarde …

Uma campanha nacional contra certificados de vacinação e passaportes não pode ser adiada. Devemos aprender com globalistas, socialistas, comunistas, intervencionistas e estatistas de todos os tipos, sobre como eles usam a «pressão» e como a usam para atingir seus objetivos, devemos aprender com eles para tentar combater seus males, suas ações perversas. .. Não basta ficarmos sentados em nossas casas, isolados uns dos outros, felizes em saber, através das redes sociais, que milhões de pessoas sentem o mesmo que nós. É imperativo agir.

Devemos começar enviando-lhes uma mensagem: NÃO ESTAMOS DISPOSTO A OBEDECER! Devemos iniciar um movimento de massa unido por princípios, não um movimento baseado no culto de um líder, por mais tentador que seja. Devemos transmitir aos burocratas, políticos e globalistas que não estamos dispostos a mudar de opinião e que não cederemos às suas intenções despóticas, totalitárias e liberticidas.

Talvez tenha chegado a hora de dizer a todas as empresas, a todos aqueles que apoiam com entusiasmo os planos liberticidas dos vários governos que, como consumidores, se não mudarem de atitude, retiraremos o nosso apoio e deixaremos de comprar os seus produtos. E Serviços. Eles devem receber uma mensagem clara e contundente de que «não trabalharemos para eles e não lhes daremos um centavo de nosso dinheiro». Será necessário também abordar as pequenas e médias empresas locais e saber se são – ou não – cúmplices dos globalistas, totalitários e liberticidas e, se forem, deixar claro que retiraremos todo o nosso apoio. Chegou a hora de dar uma lição a todos eles, tirá-los de circulação, negar-lhes o nosso dinheiro … E, em resumo: dar onde dói mais, no bolso.

Outra estratégia a seguir é “fritar” as ações judiciais contra as várias administrações, para que estrangulem a sua capacidade de agir …  

Devemos também pressionar para que os governos municipais, provinciais e regionais se recusem a apoiar o governo da nação e enviem a ele uma mensagem retumbante de «Não obedeceremos». Livre-se da ideia de que municipal, provincial, etc. Eles nos protegerão das ações totalitárias do governo central, que atua sob os ditames dos globalistas e totalitários que estão limitando nossos direitos e liberdades. É preciso organizar-se no nível local, na comunidade a que cada um pertence, buscar a colaboração das empresas locais, e deve começar agora, sem demora, antes que seja tarde demais.

Ainda dá tempo de se preparar, ainda dá tempo de arriscar. Sem risco não pode haver liberdade. Estamos nos aproximando rapidamente de um momento em que arriscamos o destino do mundo no próximo século. É necessário organizar um movimento de base para lutar contra a crescente onda de totalitarismo. Ainda temos tempo de reverter os danos que eles nos causaram.

Certamente, se nos organizarmos, se nos unirmos, poderemos acabar com o totalitarismo liberticida promovido pelos globalistas, mas somente se nos atrevemos a tentar. 

Vamos começar mandando uma mensagem clara para o mundo, é o primeiro passo: «Não vamos obedecer!» 

E então vamos cumprir nossa promessa.

Este texto foi traduzido da Língua Espanhola para a Língua Portuguesa por Davide Pereira.
Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
A %d blogueros les gusta esto: